AÇÃO POLICIAL

Traficante preso pela PF em Araguaína é transferido para presídio federal

Considerado um dos maiores traficantes do País, o homem que tem o apelido de “Cabeludo” e havia sido preso em Araguaína pela Polícia Federal, foi transferido para um presídio federal.

Ele foi preso no último dia 6 de novembro em Araguaína e estava no presídio Barra da Grota. Nesta quinta-feira, Cabeludo foi levado pelo  helicóptero da Secretaria da Segurança Pública (SPP) até Palmas e de lá vai ser encaminhado para um presídio federal.

O deslocamento de Cabeludo do presídio Barra da Grota até o Aeroporto de Araguaína contou com um reforçado esquema de segurança. Participaram da escolta a Polícia Penal e Polícia Militar.

A prisão

A Polícia Federal de Araguaína/TO prendeu em flagrante, na manhã do dia 06.11, um homem que seria o cabeça de um sofisticado esquema de distribuição de drogas para a região Norte e Nordeste do país. As investigações fazem parte da Operação denominada Esquadrilha Abutre.

Conhecido pela alcunha de “Cabeludo”, o homem preso se utilizaria de diversas aeronaves para transportar cocaína do estado de Rondônia para uma fazenda remota localizada no município de São Félix do Xingu/PA. De lá, o entorpecente seguiria em veículos para ser distribuído nos estados do Pará, Tocantins, Piauí entre outros.

Após o deslocamento aéreo do investigado da cidade de Araguaína/TO até o estado de Rondônia, a Polícia Federal monitorou os passos do homem, que teria pousado com o entorpecente numa fazenda em São Félix do Xingu/PA e, de lá, teria feito o papel de “batedor” no deslocamento terrestre da carga, quando, na cidade de Tucumã/PA, a Polícia Militar Paraense logrou êxito em interceptar o carregamento e apreendeu 815KG de cocaína, avaliados em cerca de 100 milhões de reais, numa camionete S-10, na madrugada do dia 05.

Ato contínuo ao flagrante, a Polícia Federal permaneceu à procura do homem que seria o possível batedor e dono do carregamento, vindo a prendê-lo quando chegava em sua residência, na manhã do dia 06, na cidade de Araguaína/TO, ao retornar do estado do Pará, local da apreensão das drogas.

Contra o homem, que se utilizava de nome falso, havia mandado de prisão preventiva em aberto. Ele foi alvo da Operação Cardeal da PF em Rondônia, que investigava o tráfico de drogas por meio de aeronaves.

Foi identificado esquema com utilização de 6 aeronaves e cerca de 15 veículos, além de diversas pessoas entre transportadores e apoiadores logísticos. Em decorrência das investigações da Operação Cardeal, em setembro de 2019, o investigado foi condenado a 40 anos de prisão pela prática de tráfico de drogas.

As investigações da Operação Esquadrilha Abutre ainda seguem em curso para identificação de demais envolvidos.