CIDADES

Governo do Tocantins reforça equipe de buscas por criança indígena desaparecida na Ilha do Bananal

O Governo do Tocantins, por meio do Corpo de Bombeiros Militar do Tocantins (CBMTO) reforçou, nesta quarta-feira, 24, a equipe que busca a criança indígena, de 11 anos, desaparecida na Aldeia Macaúba, localizada na Ilha do Bananal, desde o domingo, 21.

Mais um militar do CBMTO e dois policiais militares técnicos em buscas com drones termais, capazes de identificar calor humano, chegaram à região. Ainda nesta quarta-feira, 24, juntou-se ao grupo uma equipe especializada, com três bombeiros, dois cães farejadores, drones e câmera térmica, enviada pelo Corpo de Bombeiros Militar do Mato Grosso (CBMMT).

“A ajuda concedida pelo Corpo de Bombeiros de Mato Grosso é um reforço fundamental para essa corrida contra o tempo”, ressaltou o tenente-coronel Nilton Rodrigues, que está respondendo pelo comando operacional do CBMTO.

Ao todo, a equipe é composta por cinco bombeiros militares do CBMTO e dois policiais militares da Polícia Militar do Tocantins (PMTO), além de três bombeiros militares e dois cães farejadores do estado de Mato Grosso, seis drones, sendo quatro deles com câmera térmica.

O comandante-geral do CBMTO, coronel Peterson de Queiroz Ornelas, agradeceu o apoio do estado de Mato Grosso na operação. “Após autorização do governador Wanderlei Barbosa, solicitei o apoio do CBMMT, sendo prontamente atendido. Agradecemos imensamente ao comandante-geral, coronel Alessandro, por esse auxílio, que será de fundamental importância para o sucesso dessa operação”, pontuou.

O último registro da criança foi no domingo, 21, quando um vaqueiro relatou, aos familiares da vítima, que a viu passar correndo na Aldeia Cutaria, que fica a 15 km de sua aldeia de origem. Quando chegaram ao local, nessa segunda-feira, 22, os bombeiros militares identificaram as pegadas da criança, que foram confirmadas pelos familiares, mas a ocorrência de chuvas dificultou o rastreio. Seguindo uma linha reta, os militares encontraram novas pegadas que direcionam para uma mata fechada, mas até o início da tarde desta quarta-feira, a criança não havia sido localizada.